629 20/1/2015

Uma parceria com:

Está na hora de você aprender Photoshop!

Deixe seu nome e e-mail que te informamos logo logo quando ele estiver pronto
Valorizamos sua privacidade. Seu e-mail não será compartilhado com terceiros!

Assassin's Creed

Eu mato em nome da paz

Assassin's Creed poderia facilmente ter se tornado o melhor jogo de 2007. A ambiciosa produção da Ubisoft Montreal é tão impressionante quanto decepcionante, e isso não é uma contradição para esse jogo. Embora supere muito as expectativas em certos aspectos, Assassin's Creed consegue falhar horrorosamente no básico. História mal conduzida e jogabilidade repetitiva em conjunto com um engine fantástico e um cenário extremamente detalhado fará de Assassin's Creed uma experiência curiosa.

Apresentação

A primeira coisa que você perceberá nos primeiros 5 minutos de jogo é que você é apenas um atendente de bar no século 21 revivendo as memórias de um antepassado, o extraordinário assassino Altaïr Ibn-La'Ahad, em uma máquina chamada animus. O porque disso é a proposta de enredo histórico do jogo criando uma fictícia batalha eterna entre assassinos e templários ao longo da historia real da humanidade.

Durante a maior parte do jogo você estará no comando de Altair com breves passagens como Desmond (o atendente de bar) para desenvolver a história na idade moderna e “explicar” as relações entre os dois personagens. Enquanto a proposta de enredo é interessante, aproveitando de praticamente todos os tipos e estilos de teorias conspiratórias existentes, a condução é péssima. Altair é um assassino arrogante tentando recuperar sua honra matando vários alvos históricos no antigo Oriente Médio. A grande questão da história do jogo é que ela é isso: uma boa proposta com bom inicio e fim, mas sem um meio. A maior parte do tempo você estará indo atras de um alvo para matar sem saber muito o porque ou para que. Altair é apenas um habilidoso assassino arrogante e só (e com uma dublagem bem mais ou menos), o que também contradiz com a ambientação meio monástica da ordem dos assassinos.

O engine de Assassin's Creed permite uma liberdade de movimento nunca antes vista em um jogo. Altair pode escalar quase qualquer coisa (que não seja uma árvore) e todo o movimento parece fluido e natural criando um “senso de liberdade” impressionante. A ambientação de Assassin's Creed é sensacional e as cidades são vivas e vibrantes, é possível ver mulheres com jarros na cabeça, comerciantes, nobres, mendigos, e muito mais, cada pessoa tomando conta dos seus afazeres. Percorrer ruelas, sobre os tetos das casas ou mesmo escalar torres em cidades do século 12 extremamente detalhadas é uma diversão por si só.

Em relação ao jogo em si, como absolutamente tudo em Assassin's Creed, continua provocando emoções antagônicas. As missões de assassinato são muito divertidas fazendo uso da excelente ambientação e o colocando em situações diversas de assassinato. No entanto as missões de reconhecimento são absurdamente repetitivas. Eu fico me perguntando como a mesma equipe que dedicou tanto trabalho a cada detalhe e rua dos cenários do jogo pode cometer um erro tão primário como reutilizar os mesmos tipos de missão de reconhecimento como antecessores para todas as missões de assassinato. E não estou falando de elementos reutilizados, mas sim de missões inteiras no mesmo formato sendo repetidas inúmeras vezes.

Gráficos/Som

Os gráficos de Assassin's Creed são seu ponto mais forte. Com cenários extremamente detalhados e bonitos tanto do ponto de vista artístico como técnico Assassin's Creed impressiona ainda hoje, e olha que é um jogo feito à 6 anos. O nível de detalhe colocado nas cidades de Damascus, Jerusalem e Acre é algo impressionante com cenários vibrantes e cheios de vida, permitindo uma ambientação excelente no contexto do antigo Oriente Médio.

Como Altair é possível se esgueirar no meio da multidão para atacar seus alvos e fugir se escondendo em ruelas, montes de feno e muitos outros objetos. O cenário é fiel historicamente com roupas e construções semelhantes ao estilo da época. O framerate permanece estável mesmo considerando a geometria bem detalhada usada na construção dos ambientes e personagens.

O som em Assassin's Creed não é impressionante. Embora a dublagem da maioria dos personagens seja de qualidade, aparentemente resolveram escolher o pior ator do elenco para dublar o personagem principal Altair prejudicando ainda mais a história. A música é na maior parte do tempo inexistente, embora ela não faça falta na criação da atmosfera excelente do jogo.

Jogabilidade

Como tudo em Assassin's Creed a jogabilidade também é fantástica em alguns aspectos enquanto falha gravemente em outros. Os movimentos de Altair são factíveis e muito estilosos utilizando de 4 armas diferentes para assassinar seus oponentes das mais variadas formas. No entanto a péssima inteligência artificial dos oponentes faz com que eles simplesmente se aglomerem em torno do jogador atacando um por vez. Esse comportamento torna ridiculamente fácil derrotar um exercito de 50 soldados frente a frente, fazendo uma aproximação sorrateira estilo assassino desnecessária. Eu me pergunto porque Altair se daria o trabalho de pular um muro, se esgueirar no meio de uma multidão, matar seu alvo e sair correndo procurando fugir se ele pode facilmente o derrotar em combate direto junto com todo seu mini exercito de guarda-costas (realmente ele tem motivos para ser arrogante).

A melhor parte do jogo em termos de jogabilidade é a navegação pelo ambiente. Correr pelos tetos das casas, ruelas e escalar torres nunca foi tão simples, fluido e muito divertido. Escalar é um dos melhores e mais importantes aspectos do jogo, ao longo do jogo Altair terá que escalar pontos de visualização, que são lugares altos em que nosso “herói” poderá reconhecer o terreno, atividades suspeitas, etc. As visões desses pontos são definitivamente maravilhosas.

Veredito

Assassin's Creed é um jogo de sentimentos antagônicos. Enquanto é absolutamente impressionante e as vezes até revolucionário em alguns pontos comete erros amadores em outros. É estranho como a Ubisoft Montreal conseguiu concretizar tantas coisas difíceis nesse jogo ao mesmo tempo que não prestou atenção em outras básicas. Os inúmeros defeitos de Assassin's Creed definitivamente prejudicam a experiência, mas ainda assim é um jogo bom para fãs de ação.

Uma parceria com:

Está na hora de você aprender Photoshop!

Deixe seu nome e e-mail que te informamos logo logo quando ele estiver pronto
Valorizamos sua privacidade. Seu e-mail não será compartilhado com terceiros!

6.6

Assassin's Creed é um jogo de sentimentos antagônicos.

Informações do Jogo