488 20/1/2015

Uma parceria com:

Está na hora de você aprender Photoshop!

Deixe seu nome e e-mail que te informamos logo logo quando ele estiver pronto
Valorizamos sua privacidade. Seu e-mail não será compartilhado com terceiros!

HarmoKnight

Ritmo, ação e carisma

Se desconsiderarmos os jogos do Virtual Console e as versões digitais de lançamentos anteriores, a biblioteca de jogos para o eShop do 3DS ainda conta com muitos poucos jogos exclusivos para a loja digital do portátil. Apesar de custar um pouco mais caro que o usual (R$25,99 na eShop brasileira e US$ 19,99 na americana), HarmoKnight pode ser uma boa alternativa para quem busca um jogo single player que contém boas doses de desafio e precisão.

Apresentação

A aventura se passa em Melodia, um lugar pacífico e harmônico (também no sentido musical da coisa) até o momento em que um meteorito cai no planeta trazendo consigo os Nozoids, criaturas que deturpam a harmonia. Quando o jovem Tempo e seu fiel escudeiro, o coelho Tappy, vão investigar o ocorrido, acabam descobrindo um bastão lendário que é usado por uma classe muito especial de defensores daquele lugar: os HarmoKnights. Instruídos pelo Mestre Woodwin, que ainda não vê o jovem Tempo preparado para liberar seu potencial como guerreiro e também por se tratar de um bastão muito especial, a dupla deve rumar para a Symphony City, a capital do reino, e entregar o artefato para a princesa Ariana. Mas ao longo da aventura, o poder de Tempo será necessário para combater os Nozoids e seu terrível líder Gargan com seus planos de dominação.

O enredo é o famoso “resgate a princesa” que parece nunca sair de moda, mas é até justificável para um título onde a história não é bem o foco principal. Apesar disso, a dupla Tempo e Tappy compensa com seu carisma, sem contar com os parceiros que são encontrados ao longo do caminho: Lyra, uma brava guerreira que utiliza uma harpa; além da dupla composta pelo forte e confiante Tyko, e seu macaquinho genioso e esperto, sempre de prontidão com seus pratos, Cymbi, ambos sendo utilizados em algum ponto dos estágios presentes nos sete mundos do jogo, cada qual com sua jogabilidade. Infelizmente eles não foram explorados um pouco mais a fundo, o que daria um diferencial ainda melhor para o título. Em resumo, o que o jogo peca na história rasa, compensada com os simpáticos personagens.

Gráficos/Som

Tanto visual como a trilha do jogo são muito boas. Não que tenhamos composições dignas de entrar pra história, mas elas podem grudar na sua mente e cumprem o papel de cadenciar as ações. Existem certas interações com o cenário que podem passar despercebidas (flores-pandeiro/flores-tamborim/flores-triângulo e flores-prato) e que certamente rendem muito mais notas musicais na pontuação final. Como disse o diretor do jogo James Turner, recentemente em um Iwata Asks, a inserção desses elementos foram propositais visando aumentar a dificuldade (caso o jogador vise aumentar a sua pontuação) além de dar um toque especial na própria trilha sonora do estágio. Há situações em que o ritmo da música diminui ou aumenta, forçando o jogador à ficar alerta aos inimigos. Isso se torna importante, levando em consideração que não existem DLC’s ou estágios desbloqueáveis em grande quantidade, assim o desafio de coletar mais notas através do aproveitamento dos elemento das fases se torna um algo a mais para dar um pouco mais de longevidade ao título.

A parte gráfica está bem feita – ainda mais em se tratando da limitação de ser um jogo do eShop que pesa pouco no armazenamento – e é recomendável jogar com o efeito 3D ligado principalmente ao enfrentar os bosses. Os inimigos em geral tem a ver com a fase e também com música (temos criaturas que remetem à sinos, aves com bico de apito, sapos-castanhola e até um fantasma no formato de ocarina). Uma dica é notar um inimigo rosa que já aparece na primeira fase: a pintura do seu rosto/vestimenta muda de acordo com o tema do mundo em que ele está presente. Quem gosta de um visual cartunesco e bem colorido ficará satisfeito (que é o meu caso!).

Gameplay

Existem sete mundos (fora o tutorial), nos quais se encontram de três a oito estágios em cada um. Não bastam mais do que dois botões para desbravar a maioria das fases de HarmoKnight: B (ou X) para pular e A (ou Y) para atacar com o bastão, sem ter a necessidade de correr com o personagem (o famoso “on rails”). O objetivo é coletar o maior número de notas musicais possíveis em cada estágio, estejam elas espalhadas pelo percurso ou aquelas em posse das criaturas que vagam pelos estágios tentando te atrapalhar, onde se deve atingi-las com o bastão para acumular ainda mais notas e claro, tomando o mínimo de dano possível. Você começa com cinco hit points, mas poderá totalizar no máximo oito com ovos que contém corações. Tudo isso deve ser feito no ritmo certo, o que traz um grande desafio ao longo dos sete mundos temáticos dos jogos. Há necessidade de se fazer a melhor pontuação possível por conta das Royal Notes, que são utilizadas para remover certos obstáculos do mapa para então poder avançar, aumentando o desafio do jogo.

A maioria dos estágios conta com uma progressão side-scrolling, onde você tem uma visão lateral do personagem seguindo do seu ponto de partida até o seu ponto de chegada, que só muda na hora dos chefes e mid-bosses. Nessa parte, uma sequência que deve ser memorizada aparece na tela e após o sinal, o jogador deve repetir precisamente para evitar o dano. Há também estágios com dançante Octarina, onde há uma progressão de uma barra e você deve apertar os botões no tempo certo. Duas coisas que podem ser problemas para os jogadores é ter a noção de bater um pouco antes com o bastão (principalmente para coletar vida, mas é algo que pode ser facilmente acostumado) e alguns comandos que são mal interpretados, como nas fases que contém os tambores e as dos bosses/mini-bosses. Principalmente nos estágios que contém os tambores, fazer uma pontuação alta de primeira não é tarefa fácil devido ao problema com a resposta do controle nessa parte. Particularmente tive que revisitar várias vezes essas fases citadas anteriormente por conta de sempre almejar a melhor pontuação e isso quebrou um pouco do ritmo do jogo. É estranho o controle não responder muito bem apenas nessa parte, mas nada que um pouco de perseverança não ajude a contornar esse problema.

Há mais dois pontos para serem destacados: o primeiro é o Fast mode, onde você pode revisitar as fases só que com o ritmo muito mais acelerado. Pra isso, basta acessar o Stage Selector (através do botão Y) e depois apertar X ao invés de A para começar o estágio, mas só se pode entrar no Fast mode caso tenha conseguido a pontuação Great no estágio, dando um aumento no replay do jogo pois caso consiga ser bem sucedido no estágio no Fast mode, você terá acesso a algumas artes do jogo. Vejo que esse modo poderia ser melhor explorado com um Ranking online, ou um download de dados de um jogador aleatório para desafiar você, mas infelizmente não houve muita atenção para a conectividade.

O segundo ponto são os estágios bônus obtidos ao se completar certos mundos, que são, nada mais nada menos do que algumas músicas de Pokémon, afinal HarmoKnight também é um jogo produzido pela Game Freak. A própria temática da fase conta com elementos conhecidos (balão com formato do Pikachu, estátuas de Oshawott, Reshiram e Zekrom, por exemplo) além de conter toda a mecânica dos estágios side-scrolling, aliados à essa boa dose de nostalgia. Estranhamente HarmoKnight me parece um teste de ambientação da Game Freak com o 3DS, e provavelmente se trata disso mesmo!

Veredito

HarmoKnight é um jogo com uma história bem clichê, mas que tem foco mesmo na sua jogabilidade ritmica e precisa e nos seus carismáticos personagens. Conta com bastantes estágios e diferentes enfoques na forma de jogar e interação com os belos e coloridos elementos visuais das fases, não deixando o jogador cair em monotonia. O preço pode ser um pouco salgado por se tratar de um jogo curto que não conta com DLCs, mas o jogo possui uma demo disponível na eShop para ajudar na decisão de compra, sem contar que o gancho e saber explorá-lo ao máximo com o Fast mode e os estágios bônus para conseguir a maior pontuação possível. Os comandos podem ser um pouco problemáticos em certos pontos, mas no geral são muito bons cabendo apenas ao jogador se acostumar com eles. Caso goste de jogos rítmicos e que necessitam precisão para vencer, sem dúvidas HarmoKnight irá te conquistar.

Uma parceria com:

Está na hora de você aprender Photoshop!

Deixe seu nome e e-mail que te informamos logo logo quando ele estiver pronto
Valorizamos sua privacidade. Seu e-mail não será compartilhado com terceiros!

8.0

Uma boa alternativa para quem busca um desafio de precisão e ritmo no eShop do 3DS
  • + Jogabilidade interessante
  • + Personagens carismáticos
  • + Músicas bem contextualizadas
  • - Certos estágios contam com respostas ruins dos controles
  • - Duração um pouco curta
  • - Personagens secundários mal aproveitados

Informações do Jogo