591 20/1/2015

Uma parceria com:

Está na hora de você aprender Photoshop!

Deixe seu nome e e-mail que te informamos logo logo quando ele estiver pronto
Valorizamos sua privacidade. Seu e-mail não será compartilhado com terceiros!

Journey

Em direção ao sol

Raramente um jogo se destaca ao ponto de ser considerado uma obra prima, uma obra de arte. Raramente uma produção pequena se destaca dentre as grandes, maravilhando e tocando os jogadores que a experimentam. Raramente, um pequeno jogo, de pouco mais de duas horas, traz a satisfação e alegria que se espera de um bom jogo. Raramente um jogo traz um contexto não competitivo, e sim cooperativo, e ainda assim pode atrair diversos jogadores. Journey é, certamente, este jogo raro. São jogos como este que me lembram o porque considero os games como sendo uma nova arte, a 8a arte, em meio ao cinema, à literatura, à pintura, à música, ao teatro, à escultura e à dança. Mas talvez ela vá um pouco mais além, pois mistura os elementos de cada uma das sete artes, e ainda coloca o jogador diretamente dentro dela, ao invés de colocá-lo simplesmente como espectador. Journey é um jogo divertido, tocante, original e magnífico.

Apresentação

Journey não é um jogo comum, e sim, uma raridade entre os jogos. Então, para começar de maneira bem simples, o que pode vir a me complicar, Journey não tem uma história, e isso funciona bem. Seu personagem não tem nome, não fala, - na verdade, o jogo não tem uma única palavra - é apenas algum andarilho do deserto. Um jogo que não tem uma história geralmente decepciona muitos. Não é o caso de Journey, pois um de seus bons atributos é justamente a ausência de enredo, a ausência de palavras. São apenas belas imagens e sons harmoniosos que o jogador terá acesso, e assim, Journey aguça nossa imaginação para um enredo pessoal, apenas seu. Você interpreta as imagens à sua maneira, e vê também os objetivos como aqueles que você gostaria de alcançar. Por isso que digo que trata-se de uma raridade. O jogo dá ao jogador as rédeas de tudo, e faz experimentar algo tocante e maravilhoso.

Vamos pelo menos dar algumas pistas, sem nenhum spoiller (e seria possível algum?). O jogo se inicia com o andarilho, sem palavras, nada de uma história anterior, apenas imagens. O andarilho está no deserto, e visualiza o sol se ponto numa grande montanha. Nesta direção ele segue. Por que? O que significa essa montanha? Como ele foi parar no deserto? Por que está sozinho? Seria o andarilho simplesmente um tuareg? Todas essas perguntas podem ser feitas, e as respostas, cabe ao jogador dá-las. Não há mais nada a dizer sobre a apresentação. Na verdade, essa análise em si pode estragar um pouco a experiência do jogador, pois contamina a imaginação do próprio jogador. O melhor seria não ler e ver nada, já ir direto para o jogo. No entanto, isso estragaria meu trabalho.

Gráficos/Som

Os gráficos do jogo não são os melhores que podem vir para o console, mas ainda assim, é um gráfico que combina com o estilo do jogo. Traz belas paisagens, visuais simples, modestos, mas mesmo assim, cheios de vida. Cenários que colocam contexto no jogo. Para cada etapa concluída, ficamos de boca aberta observando as mudanças que o cenário traz. Sendo assim, em relação aos gráficos, posso dizer que o jogo é surpreendente, pois não se espera muito de uma pequena produção, que traz belíssimas surpresas. Talvez seja um dos jogos mais belos que joguei em toda minha vida, isso, lembrando, vindo de alguém que joga video-games há mais de 15 anos.

Isso tudo sem contar a trilha sonora, que é cheia de emoção. Do começo ao fim ficamos maravilhados, alucinados com as músicas que preenchem o jogo. E como disse, várias vezes, não há palavras em Journey, e a música vem preencher essa lacuna, e preenche muito melhor do que esperado. O andarilho sem nome não pode falar, mas pode emitir notas musicais à vontade. Pode-se então pensar num próprio ritmo, numa própria música. É o tipo de trilha sonora que queremos colocar em nosso mp3 ou Ipod, e vagarmos na rua sozinhos observando os detalhes de nossa própria realidade.

Gameplay

Journey não é um jogo competitivo, não se trata de matar inimigos, alcançar check-points, passar de fases, ou mesmo um multplayer de matanças. Não é disso que o jogo se trata. Trata-se muito mais de explorar os ambientes, de cooperação entre jogadores, esconder-se, etc... Para começar, as ações do jogador são bem limitadas, mas isso não afeta nem um pouco a experiência do jogo. Pode-se apenas pular e cantar, e isso funciona muito bem. O jogo pode ser finalizado rapidamente, em duas horas talvez, mas quem finaliza nesse tempo não aproveitou o que o jogo tem para oferecer. O jogo pode facilmente ser finalizado sozinho, mas fica mais interessante quando há um encontro com outro andarilho, afinal, estamos todos juntos nessa jornada. Não há conversa, não há chat, não há competitividade. Só se pode emitir os sons musicais do andarilho, e esse é o máximo de comunicação entre os jogadores. Isso, também, funciona, pois traz um ar de mistério de quem está caminhando com você: de onde esta pessoa é? O que ela faz da vida? Impossibilitados de perguntar, podemos apenas imaginar. Não me vem na cabeça como a jogabilidade poderia ser melhor. Ela é direta, e encaixa-se perfeitamente no contexto do jogo.

Veredito

Journey é certamente uma das melhores experiências que já tive no mundo dos video-games. É um jogo tocante e original, e repito, são jogos como esse que me fazem lembrar o porque dos video-games serem considerados uma arte. Não vejo como este jogo poderia ser melhor do que é. Mesmo que sua duração seja pequena, jogo ele várias vezes, sem me cansar, sempre explorando, encontrando algo novo e magnífico.

Em sua originalidade e fantasia, posso afirmar com orgulho que a Sony fez muito bem em tê-lo adquirido como exclusivo. Certamente foi um dos melhores (se não o melhor) jogo de 2012. Muitos provavelmente não concordarão com a nota dada, mas gostaria que prestassem atenção nas premissas que o jogo se propõe a seguir, e verão que, de fato, Journey consegue alcançar o que desejava.

Uma parceria com:

Está na hora de você aprender Photoshop!

Deixe seu nome e e-mail que te informamos logo logo quando ele estiver pronto
Valorizamos sua privacidade. Seu e-mail não será compartilhado com terceiros!

10

Journey é certamente uma das melhores experiências que já tive no mundo dos video-games. É um jogo tocante e original, e repito, são jogos como esse que me fazem lembrar o porque dos video-games serem considerados uma arte.
  • + Trilha sonora
  • + Ambientação
  • + Originalidade
  • - Curta duração

Informações do Jogo