1029 20/1/2015

Uma parceria com:

Está na hora de você aprender Photoshop!

Deixe seu nome e e-mail que te informamos logo logo quando ele estiver pronto
Valorizamos sua privacidade. Seu e-mail não será compartilhado com terceiros!

Esportes eletrônicos: a controvérsia

Caso você não tenha passado os últimos cinco anos em uma ilha deserta no meio do oceano pacífico sem qualquer ligação com o mundo exterior, você provavelmente já deve ter ouvido falar sobre os MOBAs (multiplayer online battle arena; arena de batalha para multijogadores online, em português). Esse estilo de jogo vem tomando conta do mundo dos jogos de uma forma jamais antes vista: seja pela sua competitividade ou pela diversão que o jogo propõe, não se pode negar o sucesso que há dentro desse gênero que está até obrigando que várias empresas criem títulos para o gênero, apenas para não ficarem de fora do mercado.

Jogos como League of Legends e Dota 2 ajudaram a criar um novo tipo de jogo e a popularizar os ditos esportes eletrônicos (popularmente conhecidos como "eSports") de uma maneira nunca antes vista. Isso tudo acabou atraindo a paixão e o ódio de milhares de pessoas que realizam um debate onde, ao que tudo indica, está estamos longe de chegar a uma conclusão. Nesse artigo a ideia principal é procurar uma espécie de resposta para essa questão que vem, de uma certa maneira, incomodando a comunidade gamer por um bom tempo.

O QUE É UM ESPORTE?


Acho que para discutir esse assunto, é válido começar do ponto 0. O que nós sabemos sobre esportes? Qual exatamente o propósito? Claro que não iremos nos aprofundar com muito enfoque nessa parte, pois as duas perguntas anteriores poderiam muito bem render um ótimo trabalho de conclusão de curso na área de educação física. Um fato que devemos levar em conta é que o ser humano não gosta de ficar parado por muito tempo. Precisamos de algo para nos distrair, para passar o tempo, seja trabalhar, estudar, ler, ouvir música, passear e milhares de outras coisas.

Uma coisa que sempre acabou cobrindo bem essa necessidade foi o esporte. Acredito que não tenha sido principalmente pela prática de exercício em si, mas sim pelo prazer de competir e poder mostrar para outras pessoas que você, de alguma forma, é melhor do que elas. Quer queira ou não, isso acaba sendo uma coisa que todos temos dentro de si (vai me dizer que você nunca ficou com aquele sentimento de satisfação quando ganha de alguém em um simples par ou ímpar?).

Registros históricos apontam que o primeiro esporte disputado pela humanidade foi o atletismo, que consiste em três modalidades: corrida, lançamento e salto. Regras simples e metas simples faziam com que qualquer pessoa pudesse participar das competições e isso criou a base para todos os esportes que seriam inventados em seguida e até mesmo para como nós o definimos. Prova disso é a definição no dicionário Aurélio que aponta esporte como: "1. Passatempo, divertimento. 2. Prática metódica de exercícios físicos, que consistem geralmente em jogos competitivos entre pessoas, ou grupos de pessoas, organizados em partidos; desporto. Há esportes terrestres, como o futebol, e aquáticos, como o iatismo".

Observando todos esses pontos acima é fácil definir, de imediato, quais são os principais fatores que definem algo como um esporte: precisa ser divertido, precisa ter uma competição entre pessoas ou grupos, precisa ser organizado (regras, metas etc) e precisa ter atividade física. 

Contudo, seguindo a evolução da humanidade, novos esportes foram surgindo e acabam batendo de frente com essas "regras básicas". Automobilismo, corridas aéreas, xadrez e pôquer (não venha falar bobagens, porque xadrez e pôquer são considerados esportes SIM) são três exemplos claros que seguem todas as regras com a exceção de uma: o esforço física. Claro que há o espaço para a discussão se o automobilismo há um esforço físico considerável, mas não se pode negar que o que vale mais dentro dele é concentração e reflexos (mais mentais do que musculares). Fato é que pontos considerados "sem importância" no passado, como tática, planejamento, pensamento rápido e afins agora são extremamente essenciais para qualquer esporte que seja disputado. Isso tudo é um reflexo da nossa sociedade que passou a valorizar mais o conhecimento do que a força bruta.

ESPORTE ELETRÔNICO OU COMPETIÇÃO ELETRÔNICA?

Após dar as considerações sobre a questão do "esporte tem que ter exercício físico", agora é um outro ponto que incomoda bastante os defensores assíduos dos eSports: é um esporte ou uma simples competição? Recorrendo novamente ao dicionário Aurélio, é possível ver que a definição de "competição" abrange vários pontos: "1 Ato ou efeito de competir. 2 Disputa por algum prêmio ou vantagem; certame; concurso. 3 Esforço de duas ou mais partes para ganharem como freguês uma terceira parte, pela oferta dos termos mais vantajosos; concorrência. 4 Estado de mercado em que grande número de compradores e vendedores independentes competem por mercadorias idênticas e negociam livremente entre si. 5 Forma de interação, universal e contínua, pela qual indivíduos procuram apoderar-se de recursos materiais e morais que somente existem em quantidade inferior à dos concorrentes. Na sua forma mais simples, é a luta pela existência, no sentido biológico".

É muito fácil acabar se confundindo e achar que isso também vale para esporte, mas podemos definir de uma maneira mais simples: a disputa de quem consegue correr do ponto A até o ponto B mais rápido é um esporte enquanto descobrir quem dos dez participantes come mais cachorros quentes em quinze minutos para ganhar um troféu é uma competição. Esse pensamento tem como embasamento o fato que nós, quando falamos sobre jogos, sempre pensamos nas disputas que fazíamos quando éramos mais novos: o famoso "quem perder passa o controle". Aquilo não era exatamente considerado um esporte, mas sim uma competição que fazíamos entre si para tomar conhecimento de quem era o melhor dos jogadores.

Entretanto alguns estudiosos apontam que essa é exatamente a essência principal dos chamados "esportes eletrônicos": a competição. Assim como também é em milhares de outros esportes. Contudo, desde o início, nas máquinas de fliperamas, quando as crianças olhavam a lista dos melhores pontuadores e gastavam suas fichas com a ambição de colocar suas iniciais no primeiro lugar. Obviamente que existiam aqueles que jogavam apenas por se divertir, mas também existia essa espécie de "competição indireta". Com o passar do tempo as coisas foram evoluindo e já chegamos aos locais fechados com vários aparelhos de TV, consoles com 2 controles e as pessoas disputando dentro de um jogo pré-selecionado, quem é o melhor da cidade/estado/país.

Claro que com as evoluções tecnológicas agora as competições podem ser feitas com milhares de pessoas ao redor do mundo sem ao menos sair de casa. O que dá uma vantagem para várias pessoas que não tem a possibilidade do deslocamento para os lugares onde ocorrerão os campeonatos e até mesmo a possibilidade de um campeonato mundial (intergalático quando FIFA chegar em Vênus).

É OU NÃO UM ESPORTE?

Sim e não. O que as pessoas precisam lembrar é que há uma razão muito especial para a palavra "eletrônico" acompanhar "esporte" dentro deste meio. É uma coisa nova, assim como os próprios vídeo games são e, como toda novidade, leva tempo para aceitar ou simplesmente acostumar. Pessoalmente, este que vos escreve, achava que haviam vários problemas com os eSports e que toda a ideia em volta disso era um pouco banal, mas estudando um pouco sobre o assunto e até mesmo assistindo algumas competições acabaram me convencendo a, minimamente, aceitar o fato de que o mundo está mudando e que novas formas de entretenimento e competição estão surgindo.

Não seja louco e saia dizendo que isso vai substituir os esportes em carne e osso: nunca que um FIFA vai ter a emoção de uma Copa do Mundo, que um Street Fighter vai ter as coisas que encontramos no UFC e que Forza Motorsport/Gran Turismo vão deixar a Formula 1 no chinelo. Impossível tirar de nós mesmo uma coisa que já está tão encrostada no nosso ser, mas sempre há espaço para coisas novas. 

Fato é que o mundo evolui a cada dia que se passa e enquanto surjam novas maneiras de entretenimento e diversão (que sejam decentes) eu sou a favor, mesmo que eu não goste do jogo e/ou não faça parte deste mundo. Enquanto as pessoas estiverem felizes com isso e não causarem nada de ruim ao próximo, qual é o problema? 

Um grande abraço e bons jogos.

Uma parceria com:

Está na hora de você aprender Photoshop!

Deixe seu nome e e-mail que te informamos logo logo quando ele estiver pronto
Valorizamos sua privacidade. Seu e-mail não será compartilhado com terceiros!